Coluna Mecânica Online: Os números da sustentabilidade no Polo Automotivo da Jeep

Coluna Mecânica Online: Os números da sustentabilidade no Polo Automotivo da Jeep

Posted by: Flávia Gomes
Em: 30/08/2019
Tarcísio Dias é idealizador do Portal Mecânica Online e colunista da Revista Frete Urbano

Participamos essa semana do Circuito de Sustentabilidade no Polo Automotivo da Jeep, em Goiana, Pernambuco. Cerca de quatro anos após sua inauguração, os números que envolvem todo o trabalho lá desenvolvido mostram a evolução constante na busca da eficiência sustentável.
Por isso, preparamos uma sequência de 30 situações que revelam os números da sustentabilidade no Polo Automotivo da Jeep em Pernambuco.
Primeiro grande investimento da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), a partir da fusão global entre a Fiat e a Chrysler em outubro de 2014;
Fábrica mais moderna do mundo do FCA;
8.000 pessoas capacitadas na Região que trabalharam nas obras de construção;
11 milhões de metros quadrados é a área total do Polo Automotivo Jeep;
260 mil m2 compreende à área construída da planta Jeep;
270 mil m2 compreende à área construída do parque de fornecedores;
Parque de fornecedores é um complexo de 12 edifícios;
16 empresas estão presentes no parque de fornecedores;
17 linhas de produtos considerando insumos e componentes;
250 mil veículos por ano é a capacidade de produção;
600 mil unidades já foram produzidas desde a inauguração do polo automotivo;
Atualmente três modelos estão na linha de produção: Jeep Renegade, Jeep Compass e Fiat Toro;
WCM – World Class Manufacturing – metodologia aplicado na planta Jeep fundamentada em 20 pilares (10 técnicos e 10 gerenciais);
13.600 é o número de empregados em três turnos no Polo Automotivo;
95% dos empregados são nordestinos e 86% pernambucanos;
30 anos é a média de idade entre os colaboradores;
33 anos é a média de idade entre os gestores;
Polo Jeep foi a primeira fábrica no setor automotivo na América Latina a ter o certificado CARBONO NEUTRO, conquistado em 2017;
Em 2018, na comparação com 2016, a Jeep reduziu 45% o consumo de energia por veículo produzido;
Todo o efluente gerado no Polo Automotivo Jeep é tratado em um sistema com capacidade de 210 mil litros/hora através de tecnologias de Membrana – MBR e Osmose Reversa;
O índice de recírculo está entre os maiores do Brasil: 99,5%. Em um mês, cerca de 28 mil m³ de água (equivalente a oito piscinas olímpicas) deixam de ser captados da rede pública de abastecimento;
Dos 700 robôs existentes na fábrica da Jeep, 607 deles estão na Funilaria. Todos os pontos de solda são feitos de forma automática;
14 robôs que aplicam 100 pontos de solda simultaneamente estão localizados na principal estação, denominada Open Gate, congelando a geometria da carroceria em uma única etapa em menos de um minuto;
Todos os robôs, telas touchscreen e o sistema de cola entram em stand by quando ficam 60 segundos sem funcionar, gerando economia de energia;
Depois das prensas e funilaria, a pintura é o terceiro estágio da produção dos automóveis. A última etapa acontece na montagem;
Desde a inauguração e com os equipamentos instalados, a unidade do Polo Automotivo Jeep consome 20% menos produtos químicos e 29% menos energia. O consumo de energia da Pintura já chega a ser, em 2019, cerca de 40% menor que outras pinturas automotivas;
É na montagem que o carro ganha vida ao receber mais de 1.800 peças, ou 800 kg de componentes;
Seguindo o conceito de Indústria 4.0, toda a linha de Montagem utiliza tecnologia na qual o carro é mapeado em cada ponto da linha de produção;
A linha é acompanhada por 600 terminais touchscreen que se comunicam constantemente com os operadores, mantendo os team leaders informados sobre cada detalhe nos veículos;
As embalagens de madeira e papelão foram substituídas por embalagens retornáveis. Só este ano, mas de 30 toneladas de papelão deixaram de ser utilizadas;
No fim do processo, 100% dos carros são testados na cabine hídrica.
Mecânica Online
Triste realidade – Nos últimos 10 anos, mais de 3,2 milhões de vítimas de acidentes de trânsito envolvendo motos e ciclomotores foram indenizadas pelo Seguro DPVAT em todo o país. Pelo menos 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões ficaram com invalidez permanente por conta de ocorrências com os dois tipos de veículos. O levantamento inédito foi realizado pela Seguradora Líder.
Frankfurt – No IAA deste ano, a BorgWarner apresentará seus sistemas de ponta projetados para a transição para a mobilidade elétrica com a mais recente adição ao seu portfólio de produtos: packs de bateria compactos para veículos elétricos.
Precioso – No Mercedes-Benz Classe S Cupê o brilho dos faróis não fica por conta só do LED, mas dos cristais da Swarovski. As pedras preciosas deram ainda mais expressividade aos dois fachos de luz.
Pneus – De acordo com os resultados do estudo da JD Power, a Goodyear ocupa o primeiro lugar no segmento de alta performance com uma pontuação de 753 em 1000. Os critérios destacados pelos consumidores foram: melhor dirigibilidade, menor desgaste e design superior.
Mini – O pioneiro do segmento de carros premium compactos completou seu 60º aniversário, muito embora esbanje atualmente uma jovialidade jamais vista. Há exatos 60 anos, no dia 26 de agosto de 1959, a British Motor Corporation (BMC) revelou o resultado de todos os seus esforços para a criação de um novo e revolucionário carro compacto.
Digital – Numa escala de zero a 100, as empresas do setor automotivo atendem a 57,34% dos quesitos necessários para a transformação digital. É que revela o recém-lançado ICTd – Índice CESAR de Transformação Digital.
Transformação Digital é a destruição criativa, em rede, dos modelos de negócios tradicionais provocada pela maturidade das plataformas digitais.
Digital 2 – Para chegar a essa média, foram avaliados o nível de maturidade das empresas a partir de oito eixos: Cultura & Pessoas, Consumidores, Concorrentes, Inovação, Processos, Modelo de Negócios, Dados & Ambiente Regulatório e Tecnologias Habilitadoras.
Destes, o mais maduro no setor automotivo é o eixo de Modelo de Negócios (61,58), seguido por Consumidores (61,05). Já os eixos que estão mais distantes da transformação digital estão Tecnologias (52,96) e Inovação (54,37).