Coluna Economia: Gasolina e Diesel, por que é tão caro?

Coluna Economia: Gasolina e Diesel, por que é tão caro?

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 19/06/2018
A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em gestão pela USP
A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em
gestão pela USP

Os combustíveis vendidos no Brasil estão entre os mais caros do mundo, para entendermos como é composto este valor, demonstramos a seguir o que você paga quando abastece seu veículo:

A parcela das margens de distribuição e revenda é estimada. Elaboração Petrobras a partir de dados da ANP

A partir de julho de 2017, uma nova política de preços foi adotada, permitindo reajustes diários para que o preço da gasolina esteja alinhado com o que se pratica no mercado internacional.

Grande parte por estarmos amargando este alto custo, deve-se ao fato de o país por cerca de 30 anos (de 1980 a 2009), não ter investido na construção de novas refinarias de petróleo, e o governo ter incentivando a produção de veículos.

Com isso passamos a depender do mercado externo, e com a alta no preço do barril de petróleo, somado a sanha arrecadatória os preços ficam incontroláveis.

Uma coisa que o governo não consegue explicar é que apesar de importarmos gasolina para atender a demanda interna, o país é exportador de gasolina para nossos vizinhos do Mercosul, com isso é possível comprar gasolina em países como Paraguai e Bolívia, com preços de até 40% de desconto.

A partir de 04/07/18, o governo isentou o diesel dos impostos federais nas distribuidoras, esta isenção, segundo cálculos do governo deve acarretar uma diminuição no preço final de R$0,46. Outra medida adotada é que o preço do diesel ficará congelado por 60 dias, e após isso os reajustes acontecerão uma vez por mês, não mais diariamente.

Com essas medidas, deve-se amenizar os custos para quem depende deste combustível, mas ainda cabe redução nos impostos estaduais, somente assim conseguiremos preços compatíveis com outros países.

Precisamos incentivar a produção e comércio de veículos híbridos, pois além de fazer bem ao bolso, o meio ambiente agradece.