Economia: Fintech, a evolução do mercado financeiro

Economia: Fintech, a evolução do mercado financeiro

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 21/04/2019
A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em gestão pela USP
A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em
gestão pela USP

Assim como qualquer segmento da sociedade, o mercado financeiro também está ficando cada vez mais high tech. Isso mesmo, a tecnologia invadiu o mundo do dinheiro e a moda agora é um modelo de financiamento chamado Fintech.

O termo Fintech surgiu da combinação das palavras em inglês financial (finanças) e technology (tecnologia). Esse nome, por si só, resume bem a ideia: fintech é uma startup, ou seja, uma nova empresa que oferece serviços financeiros que se diferenciam pelas facilidades proporcionadas pela tecnologia e, com efeito, pela internet.

Na prática, o principal conceito das fintechs é eliminar serviços burocráticos e caros do banco e resolver tudo de maneira mais prática, rápida e com custos mais baixos. Essas startups conseguem através das tecnologias que aumentam a eficiência dos processos fazer com que os custos operacionais de bancos e cartões de crédito, por exemplo, sejam mais acessíveis.

As Fintechs estão revolucionando o mercado financeiro em todo o mundo. Essas inovações conseguem oferecer ainda serviços financeiros empréstimos, investimentos, seguros, negociação de dívidas, gestão financeira etc. Tudo isso com muito mais eficiência, segurança e transparência, e o melhor bem mais barato.

E devido à enorme pressão competitiva que as Fintechs estão fazendo no mercado, muitas instituições financeiras consideradas ‘tradicionais’ estão correndo contra o tempo para se alinhar a elas. A maioria dos bancos, na verdade, já oferecem serviços virtuais, e estão emergindo nesse mundo a cada dia que passa, o que não tem mudado muito são as taxas cobradas, que continuam aquelas convencionais.

Assim como ocorre com outros serviços financeiros, no caso do cartão o segredo do baixo custo está na menor estrutura exigida da fintech para o seu funcionamento, pois em uma startup, todos os processos são enxutos.

 

Cuidado com o que é fake

Mas fique esperto, tudo que vem pela internet pode vir disfarçado de fraude. AS promessas são muitas. Então, antes de incluir seus dados pessoais como CPF e endereço num site oferecendo serviços e créditos bancários milagrosos, pesquise para se certificar de que se trata de uma fintech idônea.

 

Conheça alguns serviços oferecidos por Fintechs no Brasil:

– Conta bancária digital: com as fintechs, a conta corrente da pessoa física ou jurídica passa a ser digital, sem burocracia, com todos os recursos de uma versão tradicional.

– Empréstimos: outro mercado tradicional das instituições financeiras no país que começa a ser modificado pelo avanço das fintechs são os empréstimos, que já podem ser solicitados 100% online.

– Cartão de crédito: sem anuidade e com taxas mais baixas já, as Fintechs conseguiram tornar isso uma realidade. Mas não é apenas isso, pois o produto é totalmente gerenciado pelo usuário via aplicativo de celular.

– Investimentos: apesar de não ser uma novidade, as fintechs disponibilizam o acesso a este serviço via navegador ou aplicativo de celular. A maior autonomia para o investidor é um atrativo, assim como o menor custo para aplicar seu dinheiro.