Economia: O que esperar da economia em 2018

Economia: O que esperar da economia em 2018

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 02/05/2018

Hits: 7

 

A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em gestão pela USP
A coluna Economia é escrita por Alberto Savioli, economista com pós graduação em
gestão pela USP

Depois de dois anos de recessão econômica, o Brasil dá sinal de melhoria na economia para o ano de 2018. Com base nos índices econômicos podemos prever um ano muito melhor do que os últimos três anos.

Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central se reuniu em fevereiro para reduzir a Selic em 0,25 ponto porcentual, para 6,75% ao ano. Essa é a expectativa de vários analistas do mercado. Se confirmada a previsão, a taxa se manterá no menor patamar desde 1999, quando a instituição passou a divulgar metas para o índice como ferramenta de política monetária.

Assim é muito importante termos as contas em dia, ou pelo menos fazermos uma programação para conseguirmos tirar proveito da melhora na economia.

Alguns itens podem ser considerados os vilões no orçamento doméstico, e que se estiverem desajustados dificilmente você terá um bom ano:

– Cheque especial: este item é o principal fator para desequilíbrio de qualquer orçamento, pois os bancos praticam altas taxas de juros. Fuja desta modalidade, procure substituir sua dívida do cheque especial por empréstimos com ou sem garantias, geralmente os empréstimos com garantia possuem taxas menores, veja a tabela abaixo dos juros do cheque especial:

Instituição Taxa ao mês Taxa ao ano
Bradesco 12,15 295,74
Caixa 12,47 309,61
B. Brasil 12,48 310,04
Itaú 12,74 321,41
Santander 14,74 420,82

*Fonte Banco Central do Brasil

Uma saída também recomendada é a portabilidade de crédito, no qual você poderá transferir o saldo devedor de seu banco para outro banco com taxas mais atraentes.

– Cartão de crédito: Esta modalidade deve ser utilizada sempre como um folego do orçamento, e não como complemento da receita. Pois se você efetuar o pagamento total da fatura, ótimo você utilizou bem esta modalidade, porém se cair no parcelamento, aí as taxas utilizadas pelas administradoras são equiparadas as mais elevadas taxas praticadas pelos bancos.

Com a retomada da economia, podemos traçar um cenário de aumento no consumo das famílias, que por sua vez, aumenta a demanda de produção nas indústrias, que deverão voltar a contratar e com isso, podem reduzir os índices de desemprego.

Esperamos poder continuar confiantes nos índices apresentados até agora, pois estamos saindo de um longo e tenebroso inverno.