Entregas urbanas no ápice dos negócios

Entregas urbanas no ápice dos negócios

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 17/12/2021

Hits: 90

Distribuição: Entregas urbanas no ápice dos negócios

Apesar dos desafios de 2021, o aumento do consumo acelerou o segmento de distribuição, resultando em mais trabalho para o transportador VUC, para 2022 as expectativas são de lucratividade com cautela

Texto: Carol Vilanova

Fotos: Divulgação

A época do ano é propícia, extremamente movimentada para o setor de distribuição de insumos, desde o abastecimento aos comércios até o delivery e o e-commerce. Esse último então, ganhou tanta força durante a pandemia e a tendencia é que a prática de comprar perdure por muito tempo, haja vista a facilidade e, hoje, a rapidez na entrega do produto adquirido.

Tivemos ainda a Black Friday, data comemorativa herdada do mercado americano, que promove descontos em diversos produtos, principalmente, quando são comprados de forma digital.

Entre no nosso podcast

Acesse os vídeos no You Tube

Leia a Revista Frete Urbano

Para se ter uma ideia, no ano passado, por conta dos impactos causados pela pandemia do novo coronavírus, a Black Friday foi considerada a mais digital de todos os tempos e a mais lucrativa também.

Foto: Freepik.com

De acordo com um levantamento da Neotrust/Compre&Confie, em 2020, o faturamento do comércio eletrônico foi de R$3,1 bilhões, um aumento de 24,8% em comparação com 2019.

Esses aumentos sazonais no fluxo de compras e vendas não impactam apenas os comerciantes e consumidores, mas também os operadores logísticos do transporte de cargas.

Segundo Guilherme Juliani, CEO da Moove+, “essa época do ano é extremamente movimentada para o setor de e-commerce e para comportarmos esse crescimento no volume, precisamos estar muito bem-organizados e com uma otimização de estoque preparada”.

A tendencia é que esse ano, com a Black Friday e o Natal o transporte urbano ainda tenha muito serviço, considerando ainda que em 2022 a previsão é de melhorar ainda mais.

Montadoras

Apesar de um ano desafiador, o ano de 2021 for marcado pelo aumento de consumo em todos os segmentos do comércio. Quando se fala em mercado dos veículos, a falta de componentes eletrônicos fez com que muitas montadoras parasses a produção, e a demanda fosse sufocada pela baixa entrega de produtos zero km.

Felipe Salum, gerente de Picapes e Veículos Comerciais Leves da Fiat, reforça essa situação. Segundo ele, o ano de 2021 ficou marcado pela interrupção de produção de diversas plantas industriais, não somente no Brasil, mas globalmente, pela crise de componentes. Ou seja, não foi uma queda de demanda, mas sim de oferta.

“Porém, tivemos dois movimentos muito importantes durante a pandemia: um grande crescimento do e-commerce, acelerando o business de logística urbana, e um grande impacto no segmento de minibus, considerando toda lógica de distanciamento social e fechamento de escolas. Neste contexto, temos estes dois vetores impactando nossos modelos: Fiorino mantendo a liderança absoluta do segmento de vans e Ducato sendo impactada pela queda do segmento de minibus”, comenta.

A Ford surpreendeu no segundo semestre deste ano com a volta da van Transit. Flávio Costa, gerente de vendas de Veículos Comerciais da Ford Brasil, fala que o segmento vem crescendo em todo mundo, não só no Brasil, por isso a decisão de trazer o modelo para o nosso mercado. “Na reformulação da linha de produtos, a Ford resolveu investir no que sabe fazer de melhor, e a Transit está nessa lista”, declara.

O aumento do e-commerce também motiva a marca a trazer a versão furgão entre outras configurações. “A versão furgão da Transit chega no primeiro semestre de 2022, com as opções de cabine média ou longa e diversas possibilidades de adaptação, que poderão ser feitas pela nossa rede de parceiros modificadores nas principais regiões do Brasil. Nossa engenharia criou um processo de certificação para os modificadores, com critérios para preservar a garantia e a qualidade do veículo” esclarece.

Ford Transit oferece pacote gratuito de revisão e peças

Na Iveco, a tentativa de contornar o momento foi intensa. “O problema da falta de componentes afeta o setor como um todo, mas trabalhamos constantemente, junto aos fornecedores, para buscar soluções alternativas e manter o atendimento dos pedidos aos clientes e concessionários. Entre as soluções está a importação de outros países, uso de fornecedores alternativos e até mesmo homologação de novos componentes caso seja aplicável. Também temos utilizado fretes dedicados para abastecer a linha melhorando assim o lead time dos componentes. Estamos produzindo em ritmo normal para atender nossos clientes da linha Daily e das linhas Tector, Hi-Road e Hi-Way”, explica Ricardo Barion, diretor Comercial da Iveco.

Entregas urbanas

O executivo conta que com o aumento das entregas de produtos nos grandes centros, e os hábitos de consumo cada vez mais conectados, principalmente por meio de smartphones, o transporte de cargas urbanas teve um aumento expressivo de demanda e isso foi muito benéfico para a comercialização dos modelos da linha Daily (chassi-cabine e furgão).

Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, conta que diante da escassez, a empresa conta com um comitê multiáreas que monitora constantemente os processos de abastecimento e de produção para minimizar as dificuldades, esperando ansiosamente pela volta à normalidade do mercado.

“Mesmo diante dessa situação, o mercado brasileiro de caminhões registrou 50% de aumento no volume de emplacamentos até outubro, superando 100.000 unidades nesses 10 meses do ano. Portanto, se o abastecimento estivesse normal no País, certamente a retomada seria mais forte”, acredita o executivo.

Leoncini comenta que o crescimento do comércio eletrônico, que já vinha sendo notado no mercado e se acentuou na pandemia, impactou positivamente as vendas de caminhões leves no país, o que inclui as versões VUC do Accelo e também da linha Sprinter da Mercedes-Benz. “Mas além disso, outros fatores também devem ser destacados, como a distribuição urbana, delivery, o transporte de bebidas e o setor hortifrutigranjeiro, que puxam as vendas de leves no País”, acrescenta.

Da mesma família, Fabio F. Silva, gerente de Vendas de Vans da Mercedes-Benz, fala um pouco da atuação da Sprinter no mercado em 2021. “As entregas do e-commerce colaboraram bastante para o aumento do volume de vendas do segmento de cargas, principalmente na categoria de Furgões, que conta com uma variedade de capacidade volumétrica, garantindo agilidade nas ruas estreitas e no momento de estacionar. Além disso, com a versão Street, o motorista pode trafegar em áreas restritas a caminhões com a CNH de categoria B, facilitando ainda as entregas”, analisa o gerente.

Entregas urbanas

Ele fala ainda das várias ações que a empresa fez durante o ano para o público de vans. “Durante o ano de 2021 realizamos diversas ações voltadas para os empreendedores e pensamos sempre nas necessidades dos nossos clientes, por isso temos o portfólio mais completo do segmento, com mais de 100 configurações disponíveis”.

Na Volkswagen Caminhões e Ônibus, a crise da falta de componentes também foi bem contornada e também acredita que o mercado seria melhor se não fosse essa condição. “A VWCO tem conseguido absorver melhor que parte dos concorrentes os impactos provenientes da falta de componentes. Esse resultado é refletido no aumento de emplacamentos ao longo do período”, afirma Wilson Ragusa Junior, supervisor da área de Gestão de Contas de Caminhões.

Segundo ele, o aumento do e-commerce ajudou nas vendas do Delivery. “Com certeza foi um dos segmentos que mais cresceram e que tem correlação direta com as vendas da nossa família de leves. A nova família Delivery tem sido um grande sucesso desde o seu lançamento, consolidando ainda mais a VWCO na liderança do segmento de leves. Além disso, conquistamos um grande sucesso no novo segmento atendido com o lançamento do Delivery Express”, avalia.

Como será o amanhã?

“Olhamos para 2022 com otimismo e cautela. Esperamos uma boa retomada, porém entendemos que ainda existe um risco de falta de componentes no primeiro semestre. Temos boas novidades para o próximo ciclo, que certamente vão surpreender o mercado e fortalecer a posição de liderança da Fiat no segmento”, acredita Felipe.

Ele conta que as feiras de negócio fazem falta, porém acredita que teremos uma evolução do modelo atual, fundindo o melhor dos dois mundos: digital e físico, reduzindo custos e otimizando os resultados. “A pandemia certamente deixou um grande legado no mundo dos eventos”.

Barion comemora os resultados da Iveco em 2021 e prevê consolidação no ano que vem. Em 2022 a Iveco não para de crescer. Esse crescimento sustentável tem como base nossos clientes, que são a razão para trabalharmos cada vez mais buscando a excelência”, diz

Ele comenta que terá início a implementação do Euro VI com a Daily: “nossa campeã de vendas, sendo o primeiro veículo adequado ao P8. Na sequência vamos trabalhar para deixar tudo pronto para a implementação do restante do portfólio em 2023. Já temos um portfólio robusto, mas nosso foco está, cada vez mais, em alinhar nossos produtos com o line-up global da Iveco”.

“No que diz respeito a combustíveis alternativos, 2022 consolidaremos no Brasil o programa Brasil Natural Power com o objetivo de desenvolver e produzir caminhões movidos a gás prontos para atender as peculiaridades do mercado nacional e dos nossos clientes. Não vamos simplesmente trazer um produto da Europa ou da Argentina, vamos proporcionar ao transportador e ao caminhoneiro uma solução personalizada com foco no custo operacional e na sustentabilidade”, complementa.

Em relação às feiras, Barion conta que a empresa se adaptou aos eventos online. “Eles cumpriram bem sua missão em tempos de pandemia, mas sem dúvida as feiras presenciais fizeram muita falta. Nada como estarmos próximos aos nossos parceiros – clientes e fornecedores – para trocarmos ideias e compartilharmos bons momentos juntos”, finaliza.

Na Mercedes-Benz Caminhões, Leoncini fala que a linha Accelo tem produtos para cada perfil de cliente, seja com modelos básicos ou mais completos. “Os caminhões Accelo já se destacam por sua eficiência no transporte de cargas. Eles são equipados com o motor mais robusto do mercado, o que é muito importante nas severas operações de distribuição urbana e circulação no interior dos bairros, além das curtas distâncias rodoviárias e rurais. Nós sempre trazemos novidades para nossa ampla linha de caminhões, informando nossos clientes e o mercado sempre oportunamente”, finaliza.

No segmento de vans, o gerente Fabio conta que para 2022, além da retomada do segmento de setores afetados pela pandemia como turismo e fretamento, ele também acredita em um crescimento do segmento escolar e na continuidade da demanda por veículos do segmento de carga (chassi e furgões). “Quanto ao mix de produto, acreditamos que ele se mantenha parecido ao desse ano, sendo 60% carga e 40% passageiro, porém com aumento de volume de veículos em todos os segmentos. Continuaremos com ações voltadas aos empreendedores de todo o Brasil e buscando cada vez mais soluções para as necessidades dos clientes, contando também com a ampla rede de concessionários em todo o país, onde os clientes podem ter a certeza que estão sendo atendidos pela equipe mais especializada do segmento”.

Segundo ele, o cenário da pandemia mudou ainda mais o olhar da empresa sobre feiras e salões internacionais. “Acreditamos na importância de cada formato de evento e a participação em futuras feiras será sempre analisada em conjunto, respeitando todo o direcionamento dos órgãos competentes”, complementa.

“Para o ano de 2022 as expectativas são otimistas, levando em consideração o crescimento verificado em segmentos como o de construção civil, agrícola, alimentos e bebidas, entregas urbanas, dentre outros”, observa o supervisor da VWCO.

Para o caminhão elétrico VW e-Delivery, a marca prevê incremento principalmente para atender as demandas de grandes grupos empresariais e multinacionais que lançaram metas significativas ligadas ao ESG. “As empresas de transporte coligadas ou prestadoras de serviços também acompanham essa tendência”, diz ele.

Na VWCO as feiras estão fazendo falta. “Sempre importante o contato direto com nossos clientes. Estamos presenciando uma retomada gradual dos encontros de negócios e ao mesmo tempo verificando alternativas, como versões online ou mistas, ou mesmo encontros menores para tratar temas específicos”, concretiza.

 

Mensagens

“A mensagem que deixamos é de otimismo. O segmento de transporte VUC mostrou-se muito resiliente no período mais difícil da pandemia. Acreditamos na melhora contínua nos negócios do setor e, para isso, o transportador poderá contar com a Fiat, que vai apresentar muitas novidades daqui para frente”, Felipe Salum, gerente de Picapes e Veículos Comerciais Leves da Fiat.

 

Entregas urbanas

“Aproveito a oportunidade para agradecer, em nome da IVECO, a todos transportadores, motoristas, caminhoneiras e caminhoneiros pelo trabalho excepcional que realizam para a sociedade brasileira. Nós temos orgulho de fazer parte da vida de milhares de profissionais das estradas. Contem conosco no próximo ano e sempre!”, Ricardo Barion, diretor Comercial da Iveco.

 

“O crescimento do comércio eletrônico no Brasil cria ótimas oportunidades para quem trabalha com distribuição urbana e entregas ponto a ponto e isso deverá se intensificar em 2022. Nesse cenário, os modelos VUC, como os caminhões Mercedes-Benz Accelo, são aliados das empresas transportadoras e dos autônomos. Esses veículos podem circular nas regiões centrais das cidades, mesmo em áreas que restringem a circulação para veículos grandes. É aí que o compacto e ágil Accelo se destaca no mercado, oferecendo muitas vantagens para os clientes, como o excelente padrão de conforto e dirigibilidade para os motoristas e o baixo consumo e reduzido custo operacional para quem transporta”, Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil

 

Entregas urbanas“Agradecemos aos transportadores do Brasil por esse trabalho tão importante para todo o país e esperamos o próximo período seja ainda melhor! Como marca, continuaremos acompanhando as movimentações do mercado para sempre atender as demandas dos nossos clientes com os melhores produtos e serviços. Continuem contando com a Mercedes-Benz!”, Fabio F. Silva, gerente de Vendas de Vans da Mercedes-Benz.

 

“Agradecimento pela confiança na marca e modelo de negócio VWCO. Isso é demonstrado nos nossos resultados de vendas de produtos e serviços. Ao mesmo tempo, que possam trabalhar com programação de renovação de frota com o máximo de antecedência, de forma que possamos mitigar juntos os riscos inerentes ao cenário de oscilação que ainda perdura no fornecimento de componentes”, Wilson Ragusa Junior, supervisor da área de Gestão de Contas de Caminhões.