Focada na reposição e na satisfação dos clientes

Focada na reposição e na satisfação dos clientes

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 02/05/2018

Jeferson Credidio, gerente de produtos da Nakata, falou um pouco da empresa, que tem uma história de 65 anos no Brasil e está de olho na qualidade dos seus produtos e no relacionamento com consumidores

 Revista Frete Urbano: A Nakata passou por algumas alterações nos últimos anos, conte um pouco da história da marca no Brasil, que já ultrapassa os 65 anos…

Jeferson Credidio: A Nakata completa 65 anos em um momento muito especial de sua história e com muitos motivos para comemorar, como uma das marcas preferidas pelos mecânicos e balconistas, segundo as pesquisas de mercado realizadas, em 2017, por várias publicações. Isso nos orgulha muito e também nos estimula ainda mais a seguir em frente com o propósito de oferecer a peça certa, na hora certa e com condições competitivas de mercado. A marca tem em seu DNA o conceito “Tudo Azul” que traduz a forma de se relacionar e de estar próximo ao cliente de todas as formas e em todos os canais, inclusive nos meios digitais, levando informação, suporte técnico, atendimento, catálogos, dicas de orientação de aplicação e produtos, treinamento e parcerias que ajudem na instalação da peça de forma correta. A Nakata foi uma das empresas que investiu no setor automotivo, em 1957, foi homologada pela Volkswagen para produzir tuchos de válvulas para motor. Depois desenvolveu barra de direção. Em meados dos anos 80, foi pioneira a lançar o primeiro amortecedor pressurizado do Brasil. Por decisão estratégica, passou a atuar apenas no aftermarket, desenvolvendo soluções voltadas às necessidades do mercado, com disponibilidade de itens e atendimento próximo ao balconista e mecânico. Trabalhamos 100% focados em atender a demanda da reposição na velocidade exigida por este segmento.

RFU: Quantas fábricas a empresa tem no Brasil, e quais são os itens produzidos e as capacidades produtivas?

Credidio: Temos a fábrica de Diadema para produção de amortecedores e molas a gás, onde fizemos investimentos importantes em 2017 para garantir melhoria contínua de gestão e aumento de produtividade. Também inauguramos novo centro de distribuição em Santo André para dar mais agilidade na operação logística, além de softwares de Business Intelligence e previsão de demanda, visando melhor abastecimento dos clientes e maior eficiência logística para atendimento de um número de aplicações cada vez mais amplo. Também temos centro de distribuição em Extrema-MG e escritório e Centro de Engenharia em Osasco-SP.

Focada na reposição e na satisfação dos clientes
Focada na reposição e na satisfação dos clientes

RFU: Como especialista em mercado de reposição, quais as principais peças dessa linha vendidas no mercado?

Credidio: A Nakata é reconhecida por oferecer soluções para undercar. Nosso portfólio é amplo e consiste em componentes de suspensão, direção, freios, transmissão e motor. O portfólio atende veículos leves, comerciais leves, pesados e motocicletas. As peças com maior giro, são os amortecedores e componentes de suspensão e direção para atender a frota brasileira, incluindo os modelos importados. O portfólio, em constante ampliação, tem cobertura para atender a mais de 85% dos modelos que circulam no País. Temos produtos para veículos recém-lançados e também para os que possuem mais idade.

RFU: O mercado de veículos comerciais leves, vans e caminhonetes é um mercado expressivo para a marca?

Credidio: Sim, um mercado importante para a marca que vem ganhando muita força nos últimos anos. Isso se deve a fatores como limitação logística nos grandes centros, impedindo a circulação de caminhões, além de regiões de onde o mercado agropecuário exige veículos mais robustos como caminhonetes. Estamos atentos ao mercado agropecuário que, segundo o IBGE, tem perspectiva atingir a segunda melhor safra da história. Nosso foco tem sido no desenvolvimento constante de produtos para novas aplicações, para atender com nossas linhas de produtos os sistemas de suspensão, transmissão, freios e motor.

RFU: Quais linhas a Nakata oferece exclusivamente para o mercado de VUCs?

Credidio: A Nakata possui linhas específicas do seu portfólio que oferece grande oferta de peças para VUCs. Em componentes do sistema de suspensão e direção temos amortecedores, molas a gás, terminais direção e terminais axiais, bieletas, pivôs e caixas de direção. Na linha de freios temos pastilhas, discos e tambores. Já para componentes de transmissão temos junta homocinéticas, semieixos e coroa e pinhões destinado aos VUCs de várias marcas.

RFU: A parceria da marca com algumas oficinas (Auto Centers) traz quais tipos de benefícios para os consumidores?

Credidio: O PAC – Programa Auto Centers Nakata oferece uma série de serviços e benefícios, material técnico e promocional às oficinas e centros automotivos participantes. Também realizamos, em parceria com oficinas e centros automotivos, o programa Auto Stop Nakata para avaliar gratuitamente as condições dos amortecedores e outros componentes da suspensão, direção, transmissão e freios. Foram promovidos, em 2017, 68 eventos totalizando 3.343 veículos inspecionados em oficinas parceiras de todo o País.

Focada na reposição e na satisfação dos clientes

RFU: Sempre preocupada com ações de manutenção preventiva, a Nakata participa do Caminhão 100%, como funciona o programa e qual sua importância?

Credidio: Participamos do Programa Carro 100%, Caminhão 100% e Moto 100% desde o início em 2008 e ações nas rodovias pelo Caminhão 100% começaram em 2010. Sempre apoiamos o programa com a presença de um ou mais técnicos para verificação das condições da barra de direção dos caminhões. Realmente, pudemos observar a importância de levar orientação ao motorista e também pudemos analisar o estado de milhares de terminais e barras de direção ao longo dos anos. Esse trabalho de conscientização realizado mensalmente para verificação de itens do caminhão sob a coordenação do GMA – Grupo de Manutenção Automotiva, é uma forma de o setor contribuir com informação para melhorar as condições dos veículos nas estradas e garantir mais segurança no trânsito, estimulando a prática da manutenção preventiva. Uma prestação de serviço à sociedade.

RFU: Desde muito tempo a Nakata investe em ações em redes sociais, conte um pouco dessa história…

Credidio: Sim, a Nakata foi pioneira no setor de autopeças a entrar em redes sociais e hoje conta com mais de 1 milhão de fãs em sua fanpage. O canal do Youtube também tem forte audiência e agora estamos mergulhando em uma nova fase da era digital, onde a velocidade e convergência no fluxo de informação e a conveniência para tomada de decisão ditarão transformações ainda mais contundentes no nosso setor. Em 2018, daremos sequência a nossa combinação de marketing de massa com ações que resultem em experiências individuais e positivas com a marca. Porém, agora mais fortes no universo on-line, com aplicativos que operem em tablets e smartphones, conectados aos diversos ambientes Nakata: site, catálogo, blog e rede sociais, bem como, a outras plataformas de divulgação. No formato colaborativo em duas vias, com o público técnico, vamos ajudar a fortalecer nosso compromisso de levar serviços e soluções importantes para reparação.

RFU: E a TV Nakata, desde quando está na internet e o que passa para o consumidor?

Credidio: A TV Nakata está presente na internet desde 2012, com informações sobre aplicação, produtos, dicas de manutenção e também de gestão, atingindo consumidor final, mecânicos e balconistas. Agora com a proposta de integrar as mídias das redes sociais com o novo portal, vamos intensificar ainda mais informações e teremos muitas novidades previstas para este ano.

RFU: A Nakata orienta os consumidores de alguma maneira em relação ao perigo das peças falsificadas?

Credidio: Sim, divulgamos informações em nossos canais de comunicação sobre a importância da qualidade da peça para que o serviço seja bem feito e garanta segurança aos ocupantes do veículo. Fazemos isso em dicas de manutenção divulgadas no portal, Facebook, Youtube, matérias técnicas em publicações, folders e cartilhas de produtos sobre o selo Inmetro que lançamos para informar o mercado.

RFU: O site da marca é bem completo, o que o transportador pode encontrar como ajuda para o seu trabalho?

Credidio: O novo portal está ainda mais completo e com acesso fácil às informações de produtos e aplicações. Há também dicas de manutenção e instalação que ajudam no dia a dia para que seja possível encontrar a peça correta do jeito simples e rápido, com informações sobre instalação e dicas técnicas que podem ser acessadas por tablets e smartphones, garantindo agilidade.

RFU: Todo amortecedor tem que ser certificado pelo Inmetro, como orientar o consumidor em relação ao isso e ao problema atual dos amortecedores recondicionados?

 Credidio: A certificação e utilização do selo do Inmetro para amortecedores são obrigatórias para veículos leves, comerciais leves e pesados fabricados a partir de janeiro de 2000. A respeito de recondicionamento de amortecedores não recomendamos a prática, uma vez que a complexidade da peça não permite a sua recuperação em nenhuma hipótese. Uma vez que o componente apresenta qualquer tipo de problema como vazamento, ruídos ou perda de ação por exemplo, o componente deve ser trocado por uma nova peça, troca essa que deve ser realizada sempre aos pares para garantir a eficiência, estabilidade e segurança dos ocupantes do veículo. A complexidade desse componente é tanta que não existem amortecedores remanufaturados, nome que se dá ao processo de manufatura realizado pelas próprias fabricantes, permitindo que o componente seja capaz de passar por análises, processos e controles de qualidade que um produto originalmente concebido passa antes de voltar ao mercado como uma peça remanufaturada. Geralmente, o amortecedor perde a eficiência com o vazamento de gás e óleo e não há como repor para recuperar a eficiência e desempenho. Também é importante lembrar que o amortecedor é um item de segurança, por isso merece a devida atenção e cuidados para garantir a estabilidade do veículo e seus ocupantes. No caso dos VUCs, essa atenção e cuidados devem ser ainda maiores por se tratar de veículos que trafegam com cargas, o que faz com que os amortecedores trabalhem com mais intensidade. Recomendamos sempre que ouvir algum tipo de barulho na suspensão ou perceber que a dirigibilidade do veículo em curvas ou frenagens está sendo feita com maior dificuldade do que a normal, leve o veículo a uma oficina de confiança e faça uma avaliação completa da suspensão, direção e freios e