Frete a Frete: a vida dos motoristas de VUCs pela cidade

Frete a Frete: a vida dos motoristas de VUCs pela cidade

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 24/10/2018

Hits: 15

Foi na frente do Fórum de Peruíbe que encontramos com o Leandro Monteiro. O motorista, de 30 anos, dirige profissionalmente há oito e com um brilho nos olhos, diz que ama o seu trabalho. “Não suporto ficar preso”, explica ele, que trabalha para a empresa Inforshop. Leandro diz que gosta bastante de acompanhar as novidades do mercado de VUCs e ficou bastante empolgado ao ver a nossa publicação. Apesar de ser apaixonado pelo que faz, o motorista confessa que tem um pouco de medo. “Infelizmente tem muito roubo de carga por aí, virou moda”, diz Leandro. José Avelino, de 18 anos, trabalha como ajudante. Ele está há pouco tempo no serviço, mas assim como o Leandro, adora o que faz. “Gosto bastante de trabalhar na rua, não gosto de ficar parado”, conta ele.

Leandro e José

O Abimael Fonseca ficou um pouco sem graça quando pedimos para entrevistá-lo, mas logo topou. Ele tem 31 anos e trabalha há 10 anos como motorista. Abimael explica que começou como ajudante e depois passou para motorista. Ele, que dirigia uma Fiorino antes, atualmente dirige um Mercedes-Benz 1718. O motorista diz que adora o que faz. “A melhor parte é que dá para conhecer novos lugares”, explica ele, todo sorridente, orgulhoso de seu trabalho. Ao seu lado trabalha o Caio Cesar, de 24 anos. Caio, que atua como ajudante há um ano e meio, tem planos para continuar trabalhando na área, porém como motorista. Assim como Abimael, ele também acha que conhecer lugares diferentes é a melhor parte do trabalho.

Abimael e Caio

O Fábio Souza de Andrade, de 43 anos, trabalha com transporte há 18 anos. Ele começou dirigindo caminhão grande, mas não ficou muito tempo e foi para o atual emprego, onde está há quase 17 anos. Ele trabalha para a Ivo Festas, locadora de aluguel de materiais de festa e onde dirige um HR 2008. Fábio nos conta que adora o que faz, que trabalhar como motorista foi um sonho de criança, quando ele era menor era apaixonado por automóveis. Não é a toa que o motorista sempre acompanha os lançamentos desse mercado. Ao seu lado trabalha o Júlio César, de 24 anos. Ele trabalha como ajudante há quatro. Os dois afirmam que a parte mais legal de trabalhar com o transporte de cargas é estar sempre na rua, conhecer lugares e pessoas novas.

Fábio e Júlio

Encontramos o Rubenildo da Conceição Pereira, de 36 anos, no bairro do Gonzaga (em Santos-SP) descarregando a carga. Ele nos pede para registrar uma reclamação: muitos motoristas estacionam os carros de passeio nas vagas destinadas a carga e descarga, atrapalhando o serviço deles. Queixa registrada Rubenildo! Ele trabalha como motorista há 11 anos e atualmente é funcionário da empresa Carvão Kikente. Rubenildo está bastante satisfeito com o Mb 718 que dirige. Segundo ele, é o melhor veículo para trabalhar. O Luiz Carlos de Oliveira, de 57 anos, é ajudante do Rubenildo. Ele nos conta antes era mecânico, ficou desempregado e começou a trabalhar como ajudante. Para Luiz, a parte mais divertida é estar na rua e conhecer lugares e pessoas diferentes.

Rubenildo e Luiz

O Francisco Arantes quase não conseguiu falar com a nossa revista. Afinal, ele estava com pressa, pois tinha dois casamentos para fazer. Ele é o dono da Gaúcho Buffet de Carnes, empresa de festas especializada em churrascos. “Abri a empresa em 1999, naquela época ninguém fazia churrasco em domicílio”, explica o empresário. Para atender os clientes, o Francisco dirige uma Renault Master 2014, mas já contou com uma Fiat Ducato. Como bom empreendedor que é, o Francisco está sempre atento aos lançamentos do mercado de VUCs e diz que está nos planos adquirir outra Ducato. Francisco explica que antes de abrir sua empresa, trabalhava com caminhões pesados. Logo depois nos pede licença, pois estava com pressa, afinal, ainda tinha outra festa para fazer.

Francisco Arantes

O Erik Fagilde, de 37 anos, trabalha há oito no ramo de transportes de cargas. Ele trabalhava antes como motorista agregado e hoje conta com sua própria transportadora. Além do JAC V260 ano 2017 que dirige, também conta com uma Fiorino da empresa e uma Renault Master, que é de um agregado. Para Erik, o veículo da JAC é o que tem a melhor relação custo/benefício. Ele pretende ainda comprar mais um VUC da montadora chinesa.

Erik