Frete a Frete: Quem são os empresários dos VUCs?

Frete a Frete: Quem são os empresários dos VUCs?

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 14/08/2019

Picape, furgão ou um caminhão de pequeno porte, os VUCS estão nas grandes cidades para facilitar na distribuição de insumos. Conversamos com diversos transportadores para saber um pouco mais desse segmento e de seus profissionais

Texto e Fotos: Carol Vilanova 

Fotos: Divulgação 

O universo do transporte de cargas além de ser muito amplo tem uma importância vital para a sociedade. É por meio dele e de uma logística bem executada que a riqueza do nosso país e do mundo roda de um lugar para outro. No Brasil, o modal mais utilizado é o rodoviário, com quase 60% da carga sendo entregue pelas ruas e rodovias.

É setor que tem papel fundamental também para a economia do Brasil, pois milhares de empresas dependem dele e os profissionais envolvidos são cada dia mais exigidos em relação à segurança, rapidez e qualidade. Enfrentam dificuldades diárias, como falta de infraestrutura, risco de acidentes e a exposição para eventuais roubos.

Seja para o transporte de carga total ou fracionada, nossos VUCs estão a postos e ocupam um lugar de destaque, pois fazem um trabalho que caminhões maiores não podem fazer: entrar em grandes cidades e em algumas áreas restritas, situação que comum em quase todo Brasil.

O presidente do SETCESP, Tayguara Helou, explica: “o VUC é peça vital o para o desenvolvimento de um produtivo abastecimento urbano. Este veículo é o ideal para circular durante o dia nos grandes centros comercias, pois ele tem as dimensões adequadas para facilitar manobras e, além disso, substitui até 5 veículos menores em função da sua alta capacidade de carga”.

O SETCESP, em parceria com o IPTC – Instituto Paulista do Transporte de Carga produziu um caderno técnico com todas as informações sobre as restrições de circulação de veículos de carga na grande região metropolitana de São Paulo e todas as informações sobre o VUC em cada uma das cidades pesquisadas. O material é gratuito e está disponível para download em https://conteudo.setcesp.org.br/restricoes .

Conversamos com diversos transportadores, que usam algum tipo de VUC, seja uma picape, furgão ou um caminhão de pequeno porte. São histórias diferentes, que distribuem por aí, insumos distintos, cada um com sua importância e necessidade para a sociedade.

 

Entidade do setor

“Quanto ao futuro, em minha opinião, a próxima grande guinada tecnológica do mundo será na área da mobilidade urbana. Teremos sensores por todos os lados e esses sensores irão nos acompanhar 24 horas por dia, disponibilizando um veículo autônomo para você realizar seus percursos.

Será assim: você vai acordar, escovar os dentes, os sensores que já conhecem a sua rotina conseguirão calcular o horário de saída de casa, de acordo com os seus calendários e agendas que estarão todos sincronizados e, ao abrir a porta de casa, você já terá um veículo autônomo parado em frente.

Tayguara Helou

O sistema, por meio destes sensores, saberá que você dormiu mau, portanto disponibilizará um veículo autônomo com cama para que você possa dar aquela descansada extra até o seu destino, ou não, ele saberá que você terá que pegar um colega de trabalho e que vocês precisarão terminar uma apresentação, portanto vai te enviar um carro escritório.

Com o transporte de carga será o mesmo, o sistema integrado com todos os sensores saberá que precisa parar um veículo na porta de um embarcador e levará a carga até os seus destinos.

Quero aproveitar esta oportunidade e cumprimentar a Revista Frete Urbano pelos 5 anos de existência, pelo importante trabalho que presta para o setor, mantendo empresários e colaboradores informados sobre as mais importantes novidades”, Tayguara Helou, presidente do SETCESP.

 

Aposta no comércio eletrônico

Com o crescimento contínuo do comércio eletrônico, no qual uma gama cada vez maior de produtos está sendo disponibilizada aos consumidores para compra pela internet, as operações de última milha (last mile, em inglês) ganham em importância.

Neste sentido, é fundamental as empresas que atuam no transporte de cargas, principalmente, em centros urbanos, ofereçam soluções de entregas aos embarcadores e aos consumidores finais.

Atualmente, a Jadlog possui cerca de 2,5 mil utilitários para realizar esta operação, incluindo os veículos das mais de 500 franquias espalhadas pelo país. Nesta operação de última milha, a Jadlog, além do delivery, também oferece o serviço Pickup, que permite a retirada dos produtos comprados online em pontos comerciais estrategicamente localizados nas cidades brasileiras.

Trata-se de uma opção inovadora, prática e conveniente para facilitar a vida do consumidor, que escolhe o ponto mais próximo da sua residência ou trabalho e planeja a retirada da encomenda em qualquer dia da semana, em horários estendidos, inclusive aos finais de semana, . Bruno Tortorello, diretor geral da Jadlog

 

Maior produtividade

“Viver nos grandes Centros Urbanos no Brasil, tornou-se desafiador. Para os prestadores de serviços que dependem de mobilidade, estes desafios são ainda maiores, já que a velocidade imposta no deslocamento de suas frotas, atrela-se ao nível dos congestionamentos e restrições que regem as leis de mobilidade nas grandes cidades Brasileiras, em especial as Cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, entre outras capitais de relevante importância econômica e que naturalmente demandam grandes movimentações de bens e serviços.

Luiz Carlos Lopes, diretor de Operações da Braspress

O modelo a ser escolhido para atender as demandas de transporte passam por avaliação criteriosa e objetivam o melhor custo benefício possível, pois além dos desafios citados, é preciso buscar a maior produtividade com menor deslocamento. Neste particular, a Braspress ao longo dos últimos anos, pulverizou suas demandas, distribuindo suas demandas nos Centros de Apoio Operacional – CAOBs, que aproximam suas frotas dos clientes que demandam seus serviços, sejam esses de coletas ou entregas.

Com isso, é possível ter na configuração dos VUC´s, um melhor aproveitamento e compatível produtividade, já que as encomendas que transportamos, se caracterizam por perfil de volumes fracionados e volumosos (baixa densidade de peso)”, Luiz Carlos Lopes, diretor geral da Braspress.

 

Frete a frete

Rodrigo e Gilmar

A Casa dos Inseticidas, uma empresa especializada em atividades dedetização, tem o Fiat Fiorino para carregar os produtos e aparelhos utilizados nos seus serviços. A empresa presta serviços para residências e diversos tipos de estabelecimentos comerciais e empresas. Rodrigo de Souza, 36 anos e Gilmar Teixeira, 48, foram encontrados no meio do trabalho.

 

Fábio

A Mega Home Materiais para Construção é um home center que vende tudo relacionado com hidráulica, elétrica e materiais para construção em geral. Tem dois VUCS na frota, um Fiat Fiorino 2011 e uma Mercedes-Benz Sprinter, para entregas maiores. Fabio Augusto Dias, 37, anos, é gerente da loja e conta que o furgão menor é usado para entregas rápidas e mais leves.

Waldir e Valter

A bordo de uma Chevrolet Montana, Waldir Rosa Ribeiro, 69 anos, e Valter José Leal, 42 anos, atendem todos os tipos de serviço quando o assunto é vidro. Proprietário da Vidraçaria Independência, Waldir tem mais de 50 anos trabalhando com vidros e está sempre pronto para atender bem seus clientes.

Rodrigo e Ronaldo

Ainda é muito cedo para trabalhar, mas Rodrigo Aparecido de Moraes, de 11 anos, está acompanhando o irmão Ronaldo aparecido de Moraes, 30, numa entrega. Ronaldo decidiu investir na Hyundai HR 2012 implementada com baú seco porque queria trabalhar por conta, apesar de já ter sido empregado. Ele faz todos os tipos de transportes e garante que está dando certo.

Ivan

O motorista Ivan dos Santos, 58 anos, tem mais de uma década de trabalho no transporte e hoje dirige seu próprio Renault Master zero km, com um implemento refrigerado. Ele entrega queijo da empresa e distribui pelas lojas Carrefour. Ele diz que gosta do serviço porque pode viajar bastante.

Vagner e Douglas

Vagner Martins, 40 anos e Douglas da Silva Dias, de 25 anos são funcionários e fazem transferências de produtos não perecíveis entre lojas do Carrefour. Com 20 anos de profissão, o motorista do Ford Cargo 815, Vagner pegou gosto pela profissão com o pai que era caminhoneiro e sempre gostou.

Josemar e Welson

Funcionários da empresa JNK Portas de Enrolar Automáticas, Josemar Souza Matos, 35 anos, e Welson Clemente Ferreira, 24, usam a Chevrolet Montana para fazer instalações e carregar os equipamentos necessários para o serviço. Eles atendem muitas empresas de todos os segmentos, não apenas na Grande São Paulo, fazem viagens quando precisa.

Ricardo

Ricardo José da Silva, 48 anos é funcionário da loja de móveis Villa Design. Ele dirige uma Iveco Daily 35S14 ano 2013 implementada com baú carga seca. Seu trabalho é fazer a entrega dos móveis da loja que fica em São Bernardo do Campo. Ele é motorista há mais de 25 anos e já dirigiu caminhões maiores. Hoje aposta no VUC para as entregas, inclusive para fora de São Paulo.

André e Alex

O motorista André Ricardo Nogueira, de 43 anos, e seu ajudante Alex Eduardo Pinheiro da Silva, de 30, estavam fazendo uma entrega em uma grande casa de material para construção em São Paulo. Eles são funcionários da Transportadora Nova Japi, de Jundiaí, e carregam louça sanitária, pra diversos lugares. O veículo era um VW Delivery Express, novinho, e o motorista gosta do modelo: “Esse caminhão pequeno pode entrar em qualquer cidade”, diz.