Mercado: Ano novo com mais VUCs nas ruas

Mercado: Ano novo com mais VUCs nas ruas

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 26/04/2018

Hits: 12

As previsões para o mercado de veículos urbanos de carga para o ano de 2018 estão animadoras e caminham ao lado de uma retomada da economia que parece emplacar na indústria automobilística

Texto: Carol Vilanova | Fotos: Divulgação  

Tudo vai ser diferente no ano que começa. Pelo menos, quando o assunto é o segmento de veículos comerciais. As previsões estão animadoras e quem nos diz isso é a própria indústria automotiva, que de uma maneira geral está apostando em novos ares em 2018, ares mais produtivos e lucrativos também.

A névoa que cobriu nosso mercado de vendas nos últimos anos parece ter dissipado, tanto que em 2017, conseguimos crescer em torno de 7%, e de acordo com os executivos do setor, essa recuperação deve ter um ritmo ainda mais acelerado em 2018.

Mercado: Ano novo com mais VUCs nas ruas
Jac V-260

Motivos não faltam: estamos passando por uma queda na inflação e nos juros, os consumidores estão mais confiantes, as empresas estão investindo mais, os frotistas precisam de mais veículos para transporte de cargas. Combinando tudo, conseguimos enxergar uma perspectiva positiva, que ajudam na renovação de frotas.

O presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Antonio Megale, já havia mencionado seu entusiasmo ainda na Fenatran, quando elogiou o sucesso do evento. “As marcas estão aproveitando o momento de alavancagem da economia para retomarem a produção que estava parcialmente paralisada, e os frotistas estão aproveitando para renovar seus veículos”, afirmou.

Mercado: Ano novo com mais VUCs nas ruas
Citroen Jumpy

E foi justamente na Fenatran que nós sentimos esse aquecimento, afinal muitas montadoras comemoraram vendas durante o evento. A Ford Caminhões, por exemplo, negociou 800 caminhões e enxergou uma disposição mostrada pelos clientes para compras futuras visando à renovação e ampliação de frotas.

Outra aposta da montadora é a revisão do seu planejamento de produção, com volumes maiores para atender a projeção de crescimento do mercado no primeiro trimestre de 2018. A previsão é aumentar em mais de 45% o número de caminhões montados na fábrica do ABC paulista comparado ao último trimeste deste ano, com base nos indicadores de retomada da indústria.

“Desde outubro a indústria voltou ao patamar de vendas de 5.000 caminhões por mês e deve fechar o último trimestre com um crescimento de 35% comparado ao mesmo período do ano passado”, diz Carlos Gasquez, gerente nacional de Vendas da Ford Caminhões. “Por isso, a expectativa é voltar a crescer em 2018, o que nos levou a redimensionar o programa de produção.”

Outro exemplo de que as coisas vão melhorar no segmento de transporte foi a investida que as francesas Citroën e Peugeot fizeram com o lançamento dos primos Citroen Jumpy e Peugeot Expert, dois furgões típicos do tipo urbano de carga, que jogaram um pepino enorme no mercado, com preços pra lá de ofensivos: R$ 79.990,00 e a promessa de aumentar a família no ano que vem, com versões de passageiros.

Mas eles não param por aí, para provar que tem espaço para todos, preparam o lançamento dos veículos Peugeot Boxer – em exposição na Fenatran – e da gama Jumper e Berlingo, um maior e outro menor que o Jumpy. Ou seja, tem VUC para todos os gostos e prometendo muita tecnologia.

Nesse finzinho de ano, a Fiat também já colocou as manguinhas para fora e anunciou a chegada do novo furgão Ducato, para recuperar uma boa fatia do mercado de VUCs que já foi dele por direito.

E os italianos prometem um carro maior, com mais conforto, qualidade e tecnologia, todo renovado e com linhas mais modernas. A ideia é trazer uma vasta gama de versões para atender variadas necessidades de negócios e transportes. Nada modesta, a Fiat garante: “Será fácil se apaixonar novamente pelo Fiat Ducato. Aguarde!” Hummm…. Estamos ansiosos.

Quem sabe, sabe

A Hyundai aposta no pequeno campeão de vendas, o HR, que aposta forte na estrutura de atendimento ao Cliente, em Vendas e Pós-Venda. Para 2018, a expectativa é de aumentar a participação, já que acontece um aquecimento em toda a economia.

“Além disso, temos a expectativa do início de comercialização do HD 80, que agradará dos pequenos até os grandes frotistas. O Hyundai HD 80 está sendo fabricado pela CAOA Montadora em Anápolis (GO) e será equipado com o motor diesel 3.0 litros, com quatro cilindros em linha, sistema EGR que dispensa o uso do Arla 32/Uréia para tratamento dos gases de escape, intercooler e injeção eletrônica de combustível Commom Rail”, conta Edemar Nunes, diretor Executivo Comercial da Hyundai CAOA.

Edemar Nunes, executyivo Hyundai CAOA

Quando o assunto é vendas de automóvel, o presidente da JAC Motors Brasil, Sergio Habib, conhece tudo e para ele, a recuperação tem muito a ver com a taxa Selic. “A queda sucessiva na taxa de juros em 2017 ampliou sensivelmente o volume de negócios. Prestação mais baixa aumenta venda. É simples”.

Ele prevê um crescimento de 15% para 2018. “Teremos uma Selic de 7% não somente no finalzinho do ano, como foi em 2017, mas a tendência é que prevaleça essa taxa durante 2018 inteiro. E há muito represamento de consumo! Há milhares de brasileiros que compraram carros em 2012, 2013 e 2014 que queriam trocar por um zero km em 2017, mas ficavam receosos com o custo do crédito. Eles vão comprar agora”, aposta. E para não perder a fatia dos VUCs, a Jac já conta com o V-260 e promete uma picape e uma van para este ano, novos modelos também impulsionam vendas, e Habib sabe disso.

Sérgio Habib, Jac Motores

Ricardo Barion, diretor de Marketing e Vendas da IVECO para a América Latina, também acredita em bons ventos. “A economia está voltando a crescer e, com isso, o mercado começa a reagir. A previsão do PIB é de 2,64%, a inflação deve ficar em torno de 4% e a taxa básica de juros já sofreu redução significativa. Essas e outras medidas vão estimular o consumo interno, gerando novos recursos e um cenário novamente positivo para investimentos, e impulsionar o crescimento do setor de caminhões para níveis próximos a dois dígitos. Além disso, o agronegócio, que continua sendo um dos principais motores da economia brasileira, também deverá impactar positivamente o segmento de transporte, bem como outros setores que já começam a demonstrar recuperação como a indústria, construção e serviços”.

Ricardo Barion, Iveco

Segundo ele, o ano vai ser importante para a Iveco pois será colocado em prática os investimentos anunciados no valor de US$ 120 milhões para o desenvolvimento e lançamento de novos produtos, consolidando as novidades apresentadas na Fenatran, bem como o foco em serviços de pós-venda para aprimorar cada vez mais o atendimento dos clientes.

Ainda de dentro da Iveco, Humberto Spinetti, diretor de Negócios de Ônibus e Veículos de Defesa, conta sobre os lançamentos da sua área que representarão crescimento em 2018. “Os lançamentos do Daily Elevittá, a primeira van inclusiva do Brasil, e Soulclass, o primeiro micro-ônibus inclusivo do país, ambos com o conceito baseado em acessibilidade para os passageiros com mobilidade reduzida e benefícios para o operador, por exemplo, inauguram um novo segmento no mercado, com impacto inclusive na oferta de emprego para pessoas que antes estavam fora do mercado de trabalho. Vamos continuar atuando forte nesse segmento no próximo ano”.

Para Antonio Cammarosano, diretor de Vendas de Caminhões da MAN Latin America, o ano de 2017 chega ao fim com uma série de bons indicativos para o mercado em 2018. “O destaque é índice de confiança em alta, o que gradualmente aquece o varejo, demanda mais transporte e motiva o empresário a investir, seja em ampliação de sua frota ou renovação para maximizar a produtividade. Por isso projetamos também uma alta de mercado, alçada principalmente pelas entregas urbanas e pelo agronegócio. Temos visto uma melhora consistente na economia nos últimos 6 meses”.

Antonio Cammarosano, Man Volkswagen

Ele continua: “no próximo ano estrearemos no segmento de 3,5 toneladas com o Delivery Express, veículo sob medida para as entregas urbanas que começará a ser vendido em todo o país. Com ele, conquistaremos clientes que não atendíamos antes, o que sem dúvida já contribui para nosso aumento de participação de mercado”.

A Mercedes-Benz teve muito para comemorar no ano passado, 60 anos de história do Brasil, 20 anos da van Sprinter, uma das mais desejadas pelos motoristas, e começa o ano com altas expectativas: “para 2018, estamos prevendo um aumento de 30% nas vendas de caminhões no mercado brasileiro”, afirma Ari de Carvalho, diretor de Vendas e Marketing de Caminhões.

Uma das apostas é justamente o Accelo, voltado para o transporte urbano e curtas distâncias. “Estamos atentos às demandas do mercado e entregando soluções cada vez mais rentáveis aos clientes, o que inclui soluções em peças, serviços e conectividade”, afirma.

Jefferson Ferrarez, executivo de Vans da Mercedes-Benz

Aliás, justamente para atender às demandas dos clientes, os caminhões Accelo – modelos 815 e 1016 do segmento de leves e o 1316 da categoria de médios – ganharam 15 novos recursos, com destaque para a nova versão de cabina estendida e a transmissão automatizada.

Com planos de retomar a liderança no segmento de veículos leves na categoria de Large Vans, Jefferson Ferrarez, diretor de Vendas e Marketing Vans, está confiante em projetar um volume total de vendas no Brasil em torno de 20.000 unidades somente neste segmento.

“Estamos próximos de retomar a liderança, com cerca de 36% de participação de mercado e 6.200 unidades emplacadas em 2017. Em apenas cinco anos, aumentamos nosso market share em 21 pontos percentuais, saltando de 15% em 2012 para 36% em 2017”, diz.

Linha Mercedes-Benz Sprinter

Ele completa: “no próximo ano, continuaremos nossa estratégia de atendimento diferenciado e especializado aos clientes deste segmento, visando manter uma boa participação de mercado”.

Como podemos ver, as marcas estão prontas para uma justa disputa em 2018, com novos produtos, novas tecnologias e todas elas com a mente bastante voltada em entregar ao cliente o que ele necessita. Quem sai ganhando nessa batalha: o transportador VUC, com certeza. Que venha 2018!