O motorista e a mobilidade urbana

O motorista e a mobilidade urbana

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 09/09/2020

Hits: 12

O motorista e a mobilidade urbana. No momento em que se comemora o Dia do Motorista, o assunto em pauta é a mobilidade urbana, ou seja, como melhorar a rotina da distribuição na cidade

Texto: Carol Vilanova | Fotos: Divulgação 

Todo dia, quando acorda, muitas vezes ainda é escuro do lado de fora, e o transportador pega sua ferramenta de trabalho e sai para as ruas para ganhar o seu pão. Não importa as adversidades, seja o VUC mais antigo, o alto preço do diesel, a escassez do frete, o trânsito travado, a tal mobilidade urbana que ainda está longe de ser adequada. Nada disso importa, a única solução é seguir em frente e fazer valer o seu dia.

Receba nossas notícias pelo WhasApp, clique aqui e mande “Oi Oficina”

Entre no nosso podcast

O brasileiro é assim, guerreiro. Não importa o momento nem a situação, ele se vira. Certas entidades de classe, porém, tentam ajudar, fazendo o elo entre os trabalhadores e os governantes para melhorar a rotina de trabalho desses profissionais. O setor de transportes é um deles. Por meio de entidades, como o Setcesp, discute-se e tenta-se constantemente colocar em prática as melhorias para o transporte urbano de cargas.

Edição do Dia do Motorista 

A distribuição na cidade é influenciada diretamente pela mobilidade. De acordo com o dicionário, mobilidade urbana é a condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano de um município. Na teoria é fácil, agora na prática, depende de políticas que ajudem a melhorar essa condição – muitas vezes catastróficas – melhorar a acessibilidade.

O motorista e a mobilidade urbana

Em outras palavras um bom projeto de mobilidade facilita o transporte urbano, pois envolve desde a circulação em si até o estacionamento para carga e descarga. Por isso, o assunto é tratado com altíssimo grau de importância e mérito dentro do Setcesp, que junto com transportadores tentam elaborar alguma solução.

Envolve pedestres, motocicletas, bicicletas, transporte coletivo, veículos de passeio, ou seja, é um aglomerado de vertentes que trabalha na contramão do setor de transporte no caminho da melhoria da distribuição.

O motorista e a mobilidade urbana

Numa dessas ocasiões, a entidade apresentou 10 propostas que podem contribuir para melhorar a logística e a mobilidade urbana:

√ Inclusão da carga no planejamento de transporte urbano e metropolitano
√ Política de uso do solo no entorno dos contornos rodoviários e ferroviários para fins logísticos
√ Retirar de circulação a frota irregular
√ Operação exclusivamente noturna para grandes polos geradores de carga
√ Mais vagas exclusivas para carga e descarga nas vias públicas com comércio na rua
√ Combater a ineficiência no recebimento de mercadorias
√ Mini-terminais de concentração de carga
√ Padronização das medidas e incentivo a todos os veículos pequenos de carga até o VUC
√ Padronização nas restrições de circulação de veículos comerciais de carga na ZMRC e na CRMSP
√ Alternativa com as marginais Tietê e Pinheiro

Mas se tratando de política, tudo fica mais difícil. Nenhuma dessas propostas depende somente do transportador ou de sua entidade de classe, mas depende dos políticos e de seus interesses, que nem sempre são os nossos.

Ajuda vem do céu

O motorista e a mobilidade urbana
São Cristóvão, protetor dos motoristas

As propostas estão em trâmite, mas a certeza de que serão concretizadas e quando isso acontecerá, ninguém tem. É nessas horas que recorremos aos céus, mais precisamente para o santo padroeiro dos motoristas: São Cristóvão. Seu dia é 25 de julho, por isso, foi instituído que o dia do motorista seria nessa mesma data.
São Cristóvão é o protetor dos motoristas e dos viajantes, viveu na Síria, no século III, e sofreu e carregou o “peso do mundo”, já que por sua avantajada estrutura física ajudava no transporte de pessoas de um lado para o outro do rio.

Conta a história que: “uma noite, um menino pediu-lhe que o transportasse à outra margem do rio. À medida que vadeava o rio, o menino pesava cada vez mais às suas costas, como se fosse o peso do mundo inteiro. Diante de seu espanto, o menino lhe disse: “Tiveste às costas mais que o mundo inteiro. Transportasse o Criador de todas as coisas. Sou Jesus, aquele a quem serves”.

Por conta dessa parábola, foi invocado como padroeiro dos viajantes e motoristas porque usou o próprio corpo como meio de transportes, se tornou o protetor dos transportadores. A palavra “Cristóvão”, vinda do grego, que quer dizer “condutor de Cristo”. É com fé em Cristóvão, que os profissionais do setor de transporte urbano esperam que as propostas de melhorias sejam conduzidas às autoridades e finalmente aconteçam.

A gente sabe que a otimização da mobilidade urbana em grandes metrópoles é essencial para o fluxo da distribuição ser agilizado, no entanto, o maior milagre que os motoristas podem pedir a Deus, pela intercessão de São Cristóvão, é claro o da defesa da vida, da integridade física e da segurança no trânsito.

Justamente para comemorar o Dia do Motorista e do padroeiro São Cristóvão, são organizadas no Brasil várias celebrações, como a que acontece na cidade de Aparecida, interior de São Paulo. Lá milhares de caminhoneiros se reúnem anualmente, para comemorar juntamente com São Cristóvão e Nossa Senhora Aparecida o dia do motorista na tradicional Feira do Carreteiro.

O motorista e a mobilidade urbana