Tecnologia: Segurança (sempre) em primeiro lugar

Tecnologia: Segurança (sempre) em primeiro lugar

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 21/04/2019

Quando o ABS surgiu no universo automotivo, era uma inovação de alto custo, disponível apenas em carros de luxo, que chegava para servir 100% de assistência para a segurança do veículo e de seus ocupantes. Foi criado pela Bosch em 1978 com o nome, em alemão de Antiblockiersystem, que em inglês significa Anti-lock Braking System, ou simplesmente freios anti-blocante para nós.

De maneira bem simples, o ABS é um sistema de frenagem que tem a função de evitar que as rodas se bloqueiem quando o pedal de freio é acionado fortemente, numa freada brusca, por exemplo, e provoquem uma derrapagem, deixando o automóvel sem aderência à pista.

O ABS foi o primeiro a chegar, o primeiro recurso de segurança ativa que se mostrou tão eficaz que passou a ser obrigatório desde 2014. Mas depois dele, outros tantos assistentes foram desenvolvidos, integrados principalmente em carros mais luxuosos, mas com o tempo passaram a ser mais utilizados em veículos mais acessíveis e até mesmo nos comerciais.

O aviso do ABS no painel do carro ocorre quando o sistema é ativado, ou seja, em situações de freadas bruscas. No caso da luz acender em condições normais de trânsito pode indicar algum tipo de avaria, por isso é necessário levar num mecânico.

E acreditem, hoje temos uma verdadeira sopa de letrinhas transformada em tecnologia para ajudar na segurança de carros, caminhões, motos e ônibus. O ESP, por exemplo, cuja sigla vem do inglês “Eletronic Stability Program”, ou programa eletrônico de estabilidade, em português, já está bastante difundido, e trabalha junto com o ABS.

Tem a função de corrigir a trajetória do veículo em caso de desestabilização em qualquer um dos eixos. Atua diretamente na dirigibilidade e pode ser desligado por meio de um botão no painel.

Se o ABS é obrigatório, muitos dos nossos VUCS contam com controle de estabilidade como equipamento opcional. Vans como Mercedes-Benz Sprinter, Citroen Jumper e Peugeot Boxer, além das italianas Fiat Ducato e Iveco Daily podem contar com o sistema, que às vezes leva outro nome, ESC (Eletronic Stability Control, ou controle eletrônico de estabilidade).

Outro sistema de assistência que funciona com o ABS é o EBD, que significam “Eletronic Brake Force Distribuition” em inglês, e traduzindo: distribuição eletrônica de frenagem, para nós. Ou seja, faz o controle da força da frenagem nos eixos dianteiro e traseiro, de maneira eletrônica e otimizada. Funciona literalmente como auxiliar do ABS.

O sistema de auxílio de frenagem em urgência, cuja sigla é BAS, em inglês, Brake Assist System, atual quando o motorista pisa no freio de repente, jogando a carga máxima no freio. Atua junto com o ABS e o EBD.

Já o EAS, Eletronic Actuation System, é um sistema de controle de tração e também de altura do carro em relação ao solo. Sua atuação se dá ao mesmo tempo do ABS, agindo mesmo que o pedal não seja levado ao fundo. Sua função em condições extremas de frenagem é controlar a altura do veículo.

O sistema antiderrapante, conhecido por ASR, ou Anti Slip Regulator, em inglês, impede que as rodas da tração escorreguem, atuando como mais uma assistência no caso do motorista acelere ou passe por situações de emergência. Funciona como um controle de tração.

Conhecido popularmente como assistente em rampas, o HDC, Hill Descent Control, controle de descida, ao lado do ABS consegue acionar automaticamente os freios em terrenos acidentados ou de rampas, evitando que rodas patinem e o veículo escorregue. Esse sistema é importante quando falamos de veículos de carga, por isso tem sido bastante acionado.

Cada um com suas letrinhas

É importante lembrar que cada marca escolhe os sistemas para adotar em seus veículos, seja como equipamento de série ou opcional, de acordo com o que acha mais importante par ao transportador naquele momento. Só para constar, em 2011, a Chevrolet lançou o Cruze com ESP de série e deixou de lado o conforto do banco elétrico, por questões de custo, ou um ou outro. Foi uma opção, que deu certo, hoje usa o sistema em todos os seus carros.

É claro que na Europa esses sistemas estão muito mais difundidos do que aqui, mas muitas marcas equipam suas vans e furgões com esses recursos e oferecem como opcional. A Fiat Ducato, por exemplo, na Europa vem de série com muitos dispositivos de assistência de segurança e condução, são eles o ESC, ASR, EBA e HDC, entre outros.

Aqui no Brasil, pode ser equipada com os controles eletrônicos de tração e de estabilidade (ESC), além do Hill Holder, assistente para partida em rampas que impede o carro de se deslocar nas saídas em trechos íngremes, o que ajuda muito nas manobras. A também italiana Iveco Daily opta pelo ESP como item de série.

Já as francesas, Peugeot Boxer e Citroën Jumper, dois furgões que chegaram recentemente atualizados no nosso mercado, têm o ESP combinado com as funções de Controle adaptativo de carga, o ASR e o Assistente de partida em rampa garantem uma condução mais assertiva e segura.

Considerando os níveis de segurança, podemos dizer que a Mercedes-Benz Sprinter vem recheada. O ESP Adaptativo 9i®, um sistema exclusivo da marca, é destaque neste quesito e está disponível para os motoristas como opcional em algumas versões e como item de série nas mais equipadas.

Segundo a marca, o programa eletrônico de estabilidade ESP Adaptativo 9i® reduz significantemente os riscos de acidentes, mesmo em situações críticas, além de garantir maior domínio e estabilidade do veículo. O programa integra nove funções que visam reduzir ao máximo o tempo de reação do sistema de freios para iniciar a desaceleração do veículo e constituem uma verdadeira sopa de letrinhas.

O ABS, ASR, BAS e o EBD já são conhecidos, agora vamos conhecer o LAC, que faz o Controle de Carga Adaptativo, corrigindo o sistema de estabilidade de acordo com a carga. O ROM (Controle de Rolagem), que detecta a tendência de derrapamento durante manobras e também aciona o ESP, para evitar capotamentos.

Ainda temos o RMI (Interação de Movimento de Rolagem), que detecta a tendência de capotamento em certas situações. O EBP (Pré-carga Eletrônica de Freio), que detecta a retirada brusca do pé do acelerador e já aproxima, automaticamente, as pastilhas ao disco de freio. E Por último o BDW (Limpeza dos Discos de Freio), que em situações de chuva aproxima, em intervalos regulares, a pastilha ao disco e promove a limpeza do filme de água que se forma sobre o disco de freio.

Com a tecnologia em favor do desenvolvimento de veículos, esses são itens que pode ajudar muito a vida do transportador. Vamos lembrar que as picapes médias e pequenas podem ser equipadas com qualquer um desses equipamentos, na maioria das vezes compactados num pacote escolhido na hora da compra.