VUCs do Passado: Voltando no tempo VUCS do século 20

VUCs do Passado: Voltando no tempo VUCS do século 20

Posted by: Carolina Vilanova
Em: 14/08/2019

Relembrando o passado, mostramos uma seleção dos VUCS que fizeram história no Brasil. São modelos de caminhões leves, furgões e picapes que despontaram em algum momento no nosso mercado

Carol Vilanova

Fotos: Divulgação / MIAU Museu da Imprensa Automotiva

O automóvel é um bem material que despertou a paixão do homem desde que foi criado no final dos anos 1800 – pelo menos em relação ao que chamamos de automóvel moderno, sem falar dos movidos a vapor. Foi em 1886 que o inventor alemão Karl Benz mostrou o seu Benz Patent-Motorwagen, movido a combustão interna, e toda a revolução da mobilidade começou a acontecer.

Bom, lá se foram cento e tantos anos e os veículos continuam fazendo a cabeça de muita gente, claro que com suas inesgotáveis evoluções e muita tecnologia embarcada, distribuídas entre as mais variadas marcas e modelos. Segurança, motores mais ecológicos e conectividade se tornaram prioridades dentro das montadoras

Mas não podemos esquecer do passado e de tudo que modelos emblemáticos representaram nas nossas vidas. É no antigomobilismo que observamos esse regaste com muito cuidado e capricho, um hobby praticado por entusiastas no Brasil e no mundo que remete justamente à restauração de veículos antigos com o propósito de preservar a sua história. E que não tem nada a ver com carro velho, fique bem claro.

Nesta reportagem, vamos resgatar um pouco da trajetória dos veículos urbanos de carga no Brasil, e para isso, contamos com a ajuda do MIAU – Museu da Imprensa Automotiva – www.miaumuseu.com.br, por meio do jornalista Marcos Rozen, seu fundador. O museu, que tem endereço em São Paulo, tem mais de 10 mil itens que contam a um pouco da história das coberturas jornalísticas especializadas dentro desse universo fantástico de máquinas e motores.

 

VUCs do Passado: CHEVROLET

“A picape Chevrolet 3100 norte-americana é até hoje uma referência mundial quando o assunto é picapes vintage, foi lançada com design avançado porque era maior, mais forte e sofisticada. Trazia para-lamas integrados à carroceria, e os faróis deslocados para as extremidades do veículo, o que o fazia parecer mais parrudo. O resultado foi um visual charmoso e com ótimas proporções. Ela inspirou a versão brasileira, a 3100 Brasil, que inaugurou a categoria “picape leve” e era usada inclusive como carro de passeio, uma tendência até os dias de hoje. O modelo começou a ser produzido em São Caetano do Sul no final dos anos 50”, Rogério Sasaki, GM Mercosul.

Picape Chevrolet 3100 lançada em 1958-

FIAT

“Marco da Fiat ainda no final dos anos 70, foi o Fiorino, que começou a ser vendido em 1978, ainda derivado do Fiat 147, no mesmo ano em que a marca inaugurou o segmento de picapes pequenas no Brasil, com o Fiat 147 Pick-up. Já o Fiat Ducato chegou ao Brasil em 1998, fez história por ser referência em furgões e comemorou no ano passado 20 anos estreando uma nova geração”, Rafael Filon, FCA.

Fiat 147 pick-up

 

FORD

O primeiro veículo nacional produzido pela Ford no Brasil, em 1957, foi o F-600, caminhão da Série F com motor V8 a gasolina. Em 1968, foi a vez da F-100, primeira picape nacional, mais tarde rebatizada como F-1000, de grande sucesso e tradição. Em 1979, chegou a F-1000 a Diesel. Outro lançamento marcante, foi a F-250 em 1999. Hoje, a linha é representada no Brasil pelos modelos F-350 e F-4000, que dão sequência à sua herança de confiabilidade e resistência.

Ford Série F de 1972

 

HYUNDAI

“O primeiro VUC que a CAOA trouxe para o país foi a camioneta Hyundai HR em 2007. Desde o início o veículo foi um sucesso com o público, trouxe inovação e excelentes benefícios para o consumidor. Desde o início, assim como em seus outros modelos, a CAOA se preocupa em oferecer ao consumidor brasileiro o melhor em design, conforto e tecnologia, além da busca constante em continuar crescendo e inovando no setor automotivo do país”, Uilson Campana, Hyundai.

 

IVECO

“O primeiro veículo da IVECO no Brasil, na categoria VUC, foi a Daily. Em 1997, o modelo era importado da Itália. O cliente da década de 90 precisava de um produto robusto e com baixo custo de operação. Atualmente, esses fatores ainda são importantes, mas quesitos como conforto e tecnologia ganham cada vez mais força no momento da escolha de um veículo urbano para o transporte de cargas. O modelo é produzido no Brasil desde 2000, com diversas configurações para distintas aplicações”, Ricardo Barion, Iveco.

KIA

“O primeiro VUC da KIA foi o Bongo K2500. Por ser muito versátil e apresentar excelente relação custo-benefício, o modelo sempre apresentou grande aceitação dos consumidores brasileiros. O veículo é utilizado por comerciantes, produtores rurais, distribuidores de água e gás, vidraceiros, marceneiros. Desde que foi lançado, o modelo tem evoluído constantemente, com novos materiais e tecnologias, como o motor Turbodiesel Intercooler, que atende às exigências do Euro 5. Isso possibilita maior economia, com maior capacidade de carga e menos emissão de poluentes”, Ary Jorge Ribeiro – Diretor de Vendas da Kia Motors do Brasi

 

MERCEDES-BENZ

“Quando a prefeitura de São Paulo lançou a legislação VUC, em 2007, a Mercedes-Benz oferecia ao mercado caminhões leves 710 e modelos da família Accelo”, Ari de Carvalho, Mercedes-Benz. Já a linha de vans tem a Sprinter como marco que inovou ao criar o segmento de large vans em 1995, ainda na Alemanha. Em 1997 chegou por aqui e de lá pra cá teve uma aceitação enorme do público. Completou 20 anos de Brasil em 2017 e conta do leque 60 versões.

Mercedinho – foto Miau

 

VUCs do Passado: NISSAN

“A picape Frontier foi lançada no Brasil no final dos anos 1990 por um importador independente. A Nissan decidiu, então, fabricar a picape no país a partir de 2002 (a marca “Nissan do Brasil” foi criada em 2000). Desde então, a Frontier foi o único modelo comercial da marca a ser oferecido no país”, Marcus Pires, Nissan.

 

PSA PEUGEOT E CITROEN

Os modelos Peugeot Boxer e Citroen Jumper entraram numa nova geração em 2018, com visual já em conformidade com o modelo europeu, mas no começo dos anos 2000 dividiam a plataforma com a Fiat Ducato, por meio de uma parceira de desenvolvimento e fabricação. “A prioridade dos clientes de veículos de carga não mudou muito nos últimos anos, o que acontece é que hoje podemos entregar tecnologia e motores menos poluentes, com a adoção do Euro6”, Luis Pacheco, PSA.

Linha Peugeot 2010

RENAULT

Um dos modelos mais vendidos nos dias de hoje, a primeira geração do Master no Brasil foi vendida com o nome de Renault Trafic, em 1992, mas também era comercializado com a marca Chevrolet a partir de 1995, deixando o mercado no final dos anos 90. Em 2003 voltou como mesmo nome adotado na Europa, Renault Master. Em 2013, a Renault passou a vender a terceira geração do Master ao mercado brasileiro.

Unidade móvel Trafic do Chevrolet Road Service, ano 1997- Foto Miau

TOYOTA

Em 1958, a Toyota lançou o primeiro veículo Land Cruiser, na modalidade CKD (Complete Knock-Down), que recebeu o nome de Bandeirante. Em 1961, a Toyota adquiriu um terreno em São Bernardo do Campo (SP), onde instalou a primeira unidade industrial fora do Japão, e ali passou a fabricar o Bandeirante nacional, que durante 40 anos se posicionou como referência no mercado de utilitários. Hoje temos a linha Hilux, mais do que robusta para dar conta do recado

Toyota Bandeirante

VUCs do Passado: VOLKSWAGEN

Não tem como deixar a VW Kombi fora da lista dos VUCs do século XX, afinal, o modelo fez história e tem até clubes de fãs por todos os lados. Começou a ser montada no final dos anos 50 e depois fabricada nacionalmente de 57 a 2013. Teve Kombi de todo tipo, carga, passageiro, picape, movida a gasolina, álcool, diesel e até TotalFlex. Teve ainda uma série de ações de despedida à altura do modelo. Hoje na linha das picapes, temos uma gama extensa da Saveiro e da Amarok, com versões de carga e mais sofisticadas.

VW Kombi

 

VOLKSWAGEN CAMINHÕES E ÔNIBUS

A linha Delivery, com diversas configurações, já ultrapassa os 20 anos de história. “As prioridades continuam as mesmas: ter um veículo robusto, confiável, econômico e disponível para realizar as entregas. Esses foram objetivos que, graças ao excelente trabalho do nosso time de engenharia, sempre conseguimos alcançar. O tempo nos possibilitou somar novas tecnologias e inovações aos nossos projetos, melhorando em cada um desses aspectos”, Ricardo Alouche, VWCO.

VW Delivery 8.160